As pagadoras de promessa de Planaltina

Palco de devoção e fé, ano a ano o Morro da Capelinha recebe milhares de fiéis que saldam suas dívidas com Deus. Conheça duas dessas histórias

LÚCIO FLÁVIO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Osimar Martins Nascimento paga promessas no Morro da Capelinha há 46 anos e, hoje, até ajuda na Via Sacra. Foto: Vinícius de Mello/Agência Brasília

O mistério da fé não tem limite. Nem o tamanho da devoção dos fiéis que, para ter seus pedidos atendidos, são capazes de fazer qualquer tipo de sacrifício. E as penitências cristãs são inúmeras. Vão desde andar longas distâncias com os pés descalços, passando pela dificuldade de subir ladeiras íngremes com enormes pedras na cabeça, até o doloroso ritual de autoflagelação. Mas, mediante qualquer graça alcançada, toda dor desse martírio pessoal é esquecida como num passe de mágica ou nuvens passageiras.

“Tenho muita fé porque tudo eu consigo. É a benção de Deus”, garante Osimar Martins Nascimento, uma das clássicas pagadoras de promessa do Morro da Capelinha, palco de uma das maiores celebrações religiosa do Distrito Federal.

Nascida em Natal (RN), mas desde os seis anos vivendo em Brasília, há tempos que ela acalentava o sonho de um dia participar da via sacra de Planaltina, evento tombado como Patrimônio Cultural Imaterial do DF. Devido a compromissos pessoais e profissionais, Osimar, porém, nunca arranjava disponibilidade para tanto, até um dia selar seu destino com um pacto divino que mudaria para sempre sua vida.

“Eu não tinha tempo porque trabalhava no comércio. Então, fiz a promessa de não cortar o cabelo enquanto não conseguisse frequentar a via sacra. Foram dois anos sem cortá-lo. Meu cabelo ficou enorme, mas consegui”, festeja ela, sobretudo porque, agora, como gosta de dizer, está só envolvida com as “coisas de Deus”. “É o que eu mais gosto. Antes só vivia na farra, era namoradeira”, revela Osimar, há nove anos uma das mais ativas participantes da encenação.

O resultado desse voto de devoção rendeu fruto e se multiplicou. Isso porque, de mera participante, Osimar Martins passou a figurante, atuando seis anos como uma das piedosas da peregrinação de Cristo. Aquelas mulheres de preto que, em dado momento da narrativa, lamentam, copiosamente, a triste jornada do Salvador rumo à crucificação. Hoje, ela é responsável pelo monitoramento de 23 idosas da Estação Nossa Senhora das Dores.

“Fui ‘promovida’”, ri, sem esconder a felicidade. “Recebo essa missão com muita gratidão porque Deus tem me apoiado em tudo. Tudo que peço a Ele, recebo”, garante.

Contexto emocional
Tradição antiga que remonta aos tempos medievais, as promessas e todo o rito cristão que envolve essa dívida firmada com o Divino estão ligadas a um contexto religioso essencialmente emocional. Por isso, são bastante comuns périplos de fiéis pagando juramentos entre lágrimas de contrição e lamúrias de fervor. Uma cena que já virou rotina na via sacra de Planaltina. A paraibana Rita Viera de Sousa, 72 anos, que o diga. Só de lembrar dos votos que já fez nesses anos todos vivendo na cidade, embarga a voz.

“Ah, meu filho, já recebi muitas graças”, confidencia à reportagem da Agência Brasília.

E são muitas mesmas porque, devota de Santa Rita, desde a primeira edição oficial da via sacra de Planaltina que ela bate cartão como pagadora de promessa no evento. Ou seja, há exatos 46 anos. Nem lembra mais qual foi o primeiro voto que fez, mas não esquece a dificuldade que sofreu para andar os 6 km da sua casa até o Morro da Capelinha. “Meus pés encheram de bolhas”, conta ela, que confessa, não se envolve muito com a encenação em si. “Vou lá, pago a minha promessa e vou embora”, admite.

A fé de dona Rita é tanta e tão inabalável que, volta e meia, ela é solicitada para fazer caridade até para quem não é da família.

A fé de dona Rita é tanta e tão inabalável que, volta e meia, ela é solicitada para fazer caridade até para quem não é da família. O que demonstra também o tamanho do seu espírito de solidariedade. Certa vez, o amigo de uma conhecida se machucou gravemente num acidente de trabalho. A situação era dramática, feia. Estava no caso, segundo diagnóstico médico, de a vítima perder o braço depois que um ferro ficou fincado em seu ombro.

“Minha colega me contou a história dizendo que ele estava muito mal. Eu falei que ele não ia ter o braço cortado porque Deus ia ajudar. Se ele ficasse bom eu ia pagar minha promessa no Morro da Capelinha”, lembra a religiosa. “Fiz a promessa numa segunda-feira e na quinta ele já tinha recebido alta sem nenhum problema no braço. No sábado, às 6h da manhã lá fui em pagar minha dívida com Deus”, diz orgulhosa.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *