Em defesa de Dráuzio Varela: O MÉDICO E OS MONSTROS

Por Paulo Castelo Branco*

A visão distorcida sobre o trabalho do Dr. Drauzio Varela é mais uma aberração da
natureza humana que coloca todas as suas frustrações sobre fatos que são
apresentados na mídia rasteira que nos sufoca.
A garantia da liberdade de expressão, fundamental à democracia, tem sido usada, não
para expor o ponto de vista sensato que deve ser mantido em prol de uma sociedade
que, ao longo da sua história sofreu a opressão do Estado autoritário, calou, durante
anos, a voz silenciosa do nosso povo.
O Dr. Drauzio Varela é um humanista que, até recentemente, era visto como um dos
melhores personagens da nossa geração. Estudioso, carismático e dedicado à
apresentação de métodos de proteção à saúde da população.
Nesses dias, no calor das discussões frívolas das redes sociais e dos discursos de ódio
disseminados como se fossem vírus implacáveis que atingem ricos, pobres, minorias,
homens e mulheres, o Dr. Drauzio tem sido tratado como se fosse Dr. Jekyll, de Robert
Louis Stevenson, desenvolvendo experiências sobre a natureza humana e acaba
libertando o seu violento e cruel alter ego.
Os subterrâneos das masmorras que encarceram os condenados, ou não, por crimes
cruéis estão cheios de inocentes que aguardam julgamentos sem esperança de
recomeçar vida nova , se reconhecida a falsa acusação. Os presos são misturados como
se fossem massa de concreto, formando placas de vícios inseparáveis para sempre. Os
cruéis inoculam o vício do mal nos que chegam, acusados de crimes de menor
potencial ofensivo. São as escolas do crime.
O médico Drauzio dedicou toda a sua vida a difícil missão de socorrer pessoas, sem
olhar as suas origens. Assim tem sido o trabalho de milhões de profissionais que
percorrem o mundo expostos a todos os tipos de contaminação, dramas, guerras e
tragédias ambientais que dominam o nosso tempo. Essas pessoas, representadas por
Gandhi, Madre Tereza, Irmã Dulce e tantos outros anônimos, com as mãos, resgatam
vítimas de tragédias.
Vivemos tempo de máscaras que protegem ou escondem caráteres. Sob o signo do
anonimato há os milhares de Mr. Hayde, que destroem reputações, incentivam
violência e afetam os jovens com suas mensagens maldosas e maliciosas contra tudo e
todos.
Autoridades importantes, responsáveis pelo destino do país, se dão ao desplante de,
em suas falas, desprezarem atitudes sérias e necessárias à estabilidade social.

A desconcertante agressão ao Dr. Drauzio Varela é mais um fruto da desunião que
atravanca o desenvolvimento da cultura, do diálogo e do respeito à Constituição
Federal constantemente violada e interpretada ao sabor dos ventos

*Paulo Castelo Branco, advogado e ex-secretário de segurança pública do DF /SOS BRASILIA

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on google
Share on twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *